FREGUESIA NEWS

10/05/2018

Os vícios da política habitacional

SITUAÇÃO 1 - Na região Noroeste e por toda a Cidade há associações de bairro que "prende" muita gente em uma "rede" de compromisso, por anos, com a promessa da casa própria, cobrando mensalidades e promovendo reuniões para cobrar valores (e para fazer politica na época eleitoral), e cujas casas populares prometidas "nunca" saem – Isso acontece sem que essas associações apresentem qualquer comprovação de que as famílias "inscritas" estão, de fato, incluídas em algum programa de moradia pública.

SITUAÇÃO 2 - A prefeitura/governo, ao invés de usar um cadastro só é único de inscritos para a casa própria, também se utiliza de associações "amigas" como agenciadoras de interessados em ter seu imóvel pelos programas de habitação social (estado, prefeitura e federal). Neste caso tudo se torna "legal" e de fato as casas são construídas e os associados recebem seus imóveis – é onde se faz a política eleitoral também.

SITUAÇÃO 3 - Há as associações vinculadas aos Movimentos de Sem-Teto – que atuam num outro âmbito, o das ocupações, que acontecem até mesmo no meio da Mata da Cantareira, com a destruição de mananciais e do restante do verde da Cidade, como ocorre nos bairros de fundo da região. Também nestes casos há uma amarração, com cobrança de mensalidades (chamadas de contribuições) e também de participação dos "associados" em manifestações públicas, onde devem retirar uma senha ao fim de cada reunião ou evento – cria-se aí um vínculo político-eleitoral.

GOVERNO
As autoridades fecham os olhos para esse tipo de negócio – seja os das associações que cobram mensalidades, prometendo uma casa futura, quanto para a indústria das ocupações, que, se por um lado, acaba abrigando famílias em espaços (muitas vezes inadequados, área de risco ou em prédios favelizados como o que desabou em 1/maio/18), por outro, acabam também conseguindo ser incluídos em programas de Governo emergenciais - furando a fila da casa própria, deixando pra trás os inscritos nos programas regularmente e sem vínculos com esses "movimentos".

FILA ÚNICA
Pergunta-se, porque a Prefeitura não torna única, pública e transparente a lista de pessoas inscritas para a casa própria? O que moralizaria os programas habitacionais?
Se há movimentos de moradia legítimos, há também oportunistas que promovem o loteamento de áreas públicas ou privadas e que agem como verdadeiras imobiliárias, loteiam, alugam e vendem bens públicos, seja no Centro, seja na periferia.

Recentemente foi invadido/ocupado um grande terreno na Av. Raimundo Pereira de Magalhães. Quem duvida de que ali se instalará mais uma comunidade/ favela devidamente loteada. Na outra semana outra "ocupação", desta vez na Av. Inajar de Souza, fora outras no Jardim Paulistano, em Taipas etc., e aquelas que vão construindo no meio da mata da Cantareira, em meio às árvores...

POLÍTICA NEFASTA
De quem é a culpa? Certamente dos governos, que não investem em moradia popular, de fato, mas também porque não há uma política inovadora nesta área.

Até o final da década de 50, as moradias populares eram construídas através de loteamentos, o interessado comprava o terreno das loteadoras e ia aos poucos e com a ajuda de familiares e amigos erguendo a sua moradia, depois se inventou os programas habitacionais, que "dão" a casa pronta, um bom negócio para as empreiteiras, políticos e corruptos em geral, mas não favorece o povo, já que represa a demanda e não constrói o necessário. Mas, amarra a todos politica e eleitoralmente.

Total de 2140 Notícias | Página 1 de um total de 178

A Cia FB de Dança, grupo formado na Vila Brasilândia, tem encantado o público por onde passa, provando que na periferia também se dança clássico. Katia Bernardes, coordenadora do grupo, registrou a apresentação no maior parque de diversão, o Hopi Hari.   leia mais...

Foi sancionada recentemente a pelo prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), uma lei que proíbe os mototáxis de circularem na cidade de São Paulo. O projeto ainda proíbe o transporte de material inflamável, como gás de cozinha, em motocicletas e também os botijões de água. Mas, apesar da Lei o transporte irregular continua na Cidade.   leia mais...

A cidade de São Paulo é mundialmente conhecida pelos arranha-céus, comércio, gastronomia, ruas, avenidas e bairros famosos, além, é claro, da correria de seus mais de 11 milhões de habitantes e seus milhares de carros, sempre na velocidade de uma grande metrópole.   leia mais...

Foram mais de 43 mil pessoas que escolheram votar em Sandra Santana, mas insuficientes para elegê-la deputada estadual. "Trabalhamos muito, ao longo desses 24 anos, ao lado do deputado Celino Cardoso, e lutamos muito para vencer essa campanha. Infelizmente, não foi a vontade do povo, nem a vontade de Deus.   leia mais...

Nas eleições para presidente da República se observou diferenças significativas nos votos dos moradores da Brasilândia e da Freguesia do Ó na votação de domingo, 9/10/18. Bolsonaro teve 7% a mais votos na Freguesia do Ó.   leia mais...

Rodrigo Olegário é o quinto gestor da Casa de Cultura da Brasilândia, localizada na praça Benedicta Cavalheiro, s/n. Indicado pela vereadora Aline Cardoso, Olegário não decepciona, ao contrário, tem atuado com dedicação neste importante espaço cultural do bairro.   leia mais...

No objetivo de valorizar, rever ou revelar grupos de dança, compositores, cantores e artistas em geral, com origem nos bairros da região Freguesia do Ó, entrevistamos mais um deste talentos, o artista plástico Lek, muralista (ou grafiteiro) e tatuador, conheça um pouco mais da sua arte:
Almir Rezende Pessoa é conhecido como Lek, artista plástico muralista, tem 46 anos e morou, muitos anos, na Freguesia do Ó, hoje reside próximo ao Parque da Agua Branca, onde tem um estúdio tatuagem (instagram@M   leia mais...

Alguns moradores ainda se lembram do Hospital Nossa Senhora do Ó, na Av. Itaberaba, que funcionou até 1989 até que uma crise financeira o levou ao fechamento. O caso foi acompanhado pelo Freguesia News.   leia mais...

O trabalho de intermediação entre os problemas regionais e governo, feito pelo deputado Celino, por 24 anos, e que possivelmente não mais acontecerá com a não eleição da sua chefe de gabinete, Sandra Santana, no escritório político, que funciona na esquina da Avs. Santa Marina e Miguel Conejo – com atendimento de mais de 100 pessoas por dia – irá fazer falta à população.   leia mais...

Freguesia do Ó e Brasilândia são universos bem diferentes. Se na Vila Brasilândia, o petista Marinho ficou em primeiro lugar, na Freguesia do Ó ficou em quarto; e Dória que ficou em quarto na Brasilândia é o primeiro na Freguesia do Ó. Veja os mais votados na região.   leia mais...

Anderson Camacho defende que seja feita uma ciclovia nas Avs. João Paulo I/ Av. Miguel Conejo. Diz que "são as únicas avenidas da zona norte de ligação à Marginal Tietê e outras localidades, que não têm ciclovia".   leia mais...

Atropelamento ocorrido na Av. Edgar Facó no domingo, dia 30/10/18, por volta da 12 horas, na altura da Padaria Barbotti, onde uma mulher foi atropelada na faixa de pedestres e, segundo populares, o semáforo estava verde para ela.   leia mais...

Enquete

Você acredita que a presidenta Dilma:

  • 1) Irá reerguer a Petrobrás e o Brasil e continuar seu mandato?
  • 2) Não dá mais, deve sofrer o Impeachment.

1) Irá reerguer a Petrobrás e o Brasil e continuar seu mandato?

24%

2) Não dá mais, deve sofrer o Impeachment.

75%

Geral  |  Política  |  Esportes  |  Variedades  |   Cultura  |  Educação  |  Saúde  |  Roteiros do Ó
Varejão dos Imóveis  |  História dos Bairros  |  Culinária  |   Ecologia  |  Videos  |  Fale Conosco
LAPA NEWS  |  FOLHA DE PIRITUBA  |  FREGUESIA NEWS  |  ZONA NORTE NEWS

Freguesia News - Copyright © 2011. Todos os direitos reservados
Sede Própria: Largo da Matriz Velha, 36 - Freguesia do Ó - São Paulo | Pabx/Fax: (11) 3931 6383 | E-mail: freguesianews@gmail.com