Brasilândia

Hospital Brasilândia, uma meta de governo que está prestes a ser cumprida

Matéria da Folha de São Paulo, de 8/out.2020, analisou o Plano de Metas do prefeito Bruno Covas, ou seja, o que ele prometeu e o que cumpriu. Na Brasilândia, o prédio do novo Hospital entrou em operação em maio para atender casos suspeitos e confirmados de Covid-19. A unidade começou a ser construída em junho de 2015, com previsão de entrega para fevereiro de 2017 — o que não ocorreu.

A professora Nilda Maia Bello, mora em frente ao hospital e acompanhou todo o andamento da obra. Ela diz que a primeira paralisação da obra ocorreu em 2016 (final do mandato de Haddad). Com a entrada de João Dória na Prefeitura as obras permaneceram paradas para reavaliação e após cinco meses de paralisação, a Prefeitura retomou as mesmas no dia 16/agosto/2017 – e seguiu até maio/2020, quando abriu para atende com 20 leitos as vítimas da Covid-19.

Para a conclusão integral da meta, 305 leitos hospitalares, a previsão da Prefeitura é esse segundo semestre/20. A partir da segunda quinzena de outubro o hospital terá alas para outros atendimentos que não sejam somente a Covid-19. “Tomara, né?”, diz Nilda.


N.E.: Segundo informou o médico (e vereador) Paulo Frange que esteve à frente da reivindicação, a revisão do projeto feito pela Prefeitura resultou em uma diminuição do custo total da obra, de R$250 milhões, para R$230 milhões e aumentou de 250 para 305 leitos.

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo